domingo, 21 de setembro de 2008

O excesso de lixo

Cada português produz aproximadamente 250 quilos de lixo por ano. Este número, aparentemente baixo, se comparado, por exemplo, com a tonelada produzida por um britânico em igual período, serviu de desculpa para não se terem criado aterros sanitários e centros de reciclagem. Enquanto em Portugal apenas se recupera 13% do vidro, a Holanda recicla 53% do seu vidro e a Belgica 36%. Produzir menos lixo nem sempre revela maiores preocupações com o ambiente.
Ninguém faz ideia até que ponto o plástico está a dar cabo dos oceanos. Mas, num relatório recente, calcula-se que cerca de 700 milhões de quilos (700 000 000), só de embalagens e material de pesca, são perdidos ou deitados fora anualmente por pescadores e marinheiros. Outros milhões de quilos vêm de particulares, de barcos de recreio e de fábricas.
O problema crescente do lixo sólido é consequência de uma tendência nova no nosso estilo de vida, que exige compras mais fáceis de fazer, uma preparação e um consumo mais rápidos e vermo nos facilmente livres do que não interessa. Desde 1960, o lixo provocado por embalagens cresceu mais de 200%.
Por isso a melhor maneira de resolver o problema do lixo é: fazer menos e reciclar mais.

Sem comentários: